Com que roupa eu vou?

Agora é oficial: O 17º MINIONU ESTÁ CHEGANDO!!!! E, para que todxs sejam um sucesso nos dias de simulação, é importante saber um pouquinho mais sobre as roupas que são apropriadas para o MINIONU! Assim, vocxs, delegadxs, podem arrasar ainda mais nos discursos (e quem sabe arrasar também corações).

giphy

Para as delegadas:

Como estaremos em um ambiente diplomático, é importante lembrar que não se recomenda o uso de saias ou vestidos muito curtos, assim como grandes decotes. As opções mais comuns são terninhos, saia lápis, vestidos e calças sociais com blusas sociais. Paletós são muito bem vindos também!

Como dica de sapatos, apenas recomendamos a opção mais confortável para cada um. Se você consegue ficar o dia todo com salto, ótimo! Se você prefere usar sapatilhas, sem problemas também! Para ficar ainda mais confortável, é comum que as delegadas levem chinelos para serem usados na hora do almoço, já que os restaurante ficam fora da PUC (e tem que andar um pouco bom pra chegar lá) (mas somos mineiros e achamos tudo perto) (mentira, não é tão perto assim).

e30f6d76a5421b8db27d890dce784cea         bdc88c84c0da9f43d9aa6fe151feb469

Para os delegados:

Não achem que vocês também não podem dar um charme a mais no visual! O terno é a opção clássica, mas por que também não usar coletes ou suspensórios? A escolha de cores para as blusas e gravatas que fujam do clássico também é bem vinda! Só não se esqueça que não pode ser nada exagerado (já imaginou o Ban Ki Moon usando roupas exageradas? Não? Pois é)!

O sapato social é clássico na composição do look dos homens!

homem-no-espelho-coletes

 

Outra dica:

Caso você represente uma delegação que possua vestimentas características, a mesa encoraja fortemente o uso de tais! Representar a cultura da sua delegação gera um ar mais realista na simulação!

20150722063432522070akandura-slide-01

Até mais!

Equipe AGNU 2030

FAQ

Boa Noite Senhores Delegados

E começamos a contagem regressiva… 10 dias para o MINIONU!!!!!!

Ansiosos? Nós estamos, e muito!!! Sendo assim, segue um FAQ para ajudar vocês em algumas questões de dúvida!!

VALE RESSALTAR QUE esse post não substitui o Guia de Estudos, muito menos o Guia de Regras, onde constam informações importantíssimas, como Questões, Moções, Votações e Documentos!!

Sendo assim, bons estudos!!

faq

O que é um Modelo de Simulações das Nações Unidas (MUN)?

Os modelos da Organização das Nações Unidas (ou MUNs, da expressão em inglês Model United Nations) surgiram nos Estados Unidos e na Europa no imediato pós-Segunda Guerra Mundial, seguidos da criação da própria ONU. O objetivo era levar o conhecimento aos jovens estudantes do funcionamento da então nascente organização, contribuindo não apenas para a propagação dos ideais defendidos pelas Nações Unidas mas, também, para uma maior aproximação entre os povos, uma vez que a experiência de simular leva ao delegado o conhecimento das diversidades culturais dos mais diferentes países do mundo.

O que é o MINIONU?

O Modelo Intercolegial das Nações Unidas – MINIONU – é um projeto da PUC Minas realizado pelo Departamento de Relações Internacionais e possui função pedagógica-cultural, possibilitando aos estudantes (tanto os graduandos, que realizam o evento, quanto os delegados que participam) desenvolverem suas capacidades de percepção e compreensão dos acontecimentos internacionais.

Eu sou obrigado a falar e participar dos debates? 

A princípio, não. Existem vários motivos que levam alguns delegados a assumirem uma postura de “entrei mudo e vou sair calado”. No entanto, gostaríamos de encorajar todos os delegados a se pronunciarem e participarem ativamente dos debates, principalmente porque um comitê engajado e participativo é sempre mais divertido e proveitoso do que um comitê em que apenas alguns delegados se pronunciam. Grande parte da experiência do MINIONU está em negociar, discursar e debater. Afinal de contas, você não estudou tanto para passar o evento inteiro calado, não é?!

Mas eu sou tímido! Como faz?

Pois aí está a oportunidade perfeita para superar a timidez! Vale lembrar que a maioria dos delegados estão na mesma situação que você. Eles também são alunos do ensino médio, são mais ou menos da sua idade e também ficam nervosos na hora de falar em público! Não precisa ter medo. Respire fundo, tenha claro em sua mente o que você quer falar (anote se for preciso) e utilize seu tempo com calma. Depois dos primeiros discursos, o nervosismo passa.

Posso sair durante os debates?

Sim, o delegado pode se ausentar do debate por motivos pessoais, de necessidades físicas ou psicológicas. Lembrando que teremos uma equipe de apoio psicológico caso o delegado sinta-se um pouco “travado” e também uma equipe de apoio médico. Porém é sempre importante que o delegado avise a algum voluntário para onde está indo (com exceção de necessidades fisiológicas), para não haja problemas futuros com a equipe da coordenação.

Nenhum delegado poderá se ausentar da sala de debates durante uma crise (explicaremos melhor o que é uma crise em uma próxima pergunta), ou durante/próximo a algum processo de votação.

Como e o que devo estudar?

É importante estudar através do Guia de Estudos do comitê do qual irá participar e também ler o Guia de Regras do mesmo, para não ficar desnorteado durante as sessões. Além disso, estudar o país que irá representar, suas parcerias, acordos e formas de atuação na política externa.

Por que alguns delegados as vezes estalam os dedos ou gesticulam com as mãos?

O ato de estalar os dedos é em sentido de aplaudir, apoiar, concordar ou incentivar o discurso de outro delegado ou algo proferido pela mesa, no qual não se pode interferir. Ou seja, enquanto um delegado está discursando, não se pode interrompê-lo (a não ser em questão de privilégio pessoal, explicada no Guia de Regras) nem com palmas, nem com vaias, muito menos com palavras. Por isso usa-se a gesticulação. É importante e educado que se estale os dedos sempre que a mesa reconhece alguma outra pessoa dentro do comitê ou mude a pessoa que estiver moderando.

Como devo me portar durante as sessões?

Sempre de forma diplomática, respeitando os outros delegados, não interferindo nos debates, se atentando para o uso de palavras apropriadas, evitando gírias e palavras de baixo calão, evitar o abuso de “questões de privilégio pessoal” para intervir no discurso do próximo (usar somente quando se sentir pessoalmente e realmente ofendido), ser cordial e educado, não ficar girando as cadeiras de rodinha, não dar as costas a nenhum delegado enquanto o mesmo estiver discursando em sinal de desaprovação, etc. Essas são algumas das maneiras para fazermos nossa simulação muito mais proveitosa e agradável!!

Eu posso ir contra a política externa do meu país?

Não! Durante os debates, é natural surgirem algumas questões que os delegados não têm certeza do posicionamento de seu país. Nessas situações, os senhores podem perguntar à mesa diretora (através de bilhetes, principalmente), ou fazerem uma breve pesquisa. Além disso, a mesa diretora, de uma forma geral, pode “dar um toque”, no caso de algum delegado se afastar muito de sua política externa.

O que é uma crise?

Um determinado comitê pode encontrar-se em situação de crise quando declarado pela mesa diretora, em função de algum acontecimento urgente ou imprevisto, de grande importância, que diga respeito ao tema das discussões. Enquanto estiver em crise, um comitê estará, para todos os efeitos, isolado. Isso significa que ninguém poderá entrar ou sair da sala enquanto a questão de urgência não for resolvida.

O meu comitê vai ter crise?

Talvez sim, talvez não. Alguns comitês, por definição, não têm crises. No entanto, mesmo se o seu comitê estiver apto a receber uma crise, não faça, nunca, essa pergunta. Parte da graça da crise é pegar os delegados de surpresa, mesmo que o “clima” de crise já esteja no ar. Imagine um embaixador, em plena sessão de debates na ONU, perguntando à moderação: “Vai acontecer alguma coisa muito importante e imprevista daqui a pouco? É que eu tenho que ir ao banheiro…”. Não faz sentido, não é?

O meu país é pequeno e não tem nada a ver com o tema do comitê! O que eu faço?

Com certeza, existem representações mais importantes do que outras em determinados tópicos. Mas nem por isso as demais delegações tornam-se insignificantes! Existem várias formas de articular países pequenos nos debates. Muitas vezes, você poderá apoiar e argumentar a favor das decisões de um país aliado mais forte, ou tentar convencer outros delegados a adotar medidas que o seu país considera importantes, etc. Lembre-se: a sua delegação não existe por acaso. Um delegado bem preparado, independente de sua representação, ganha seu espaço!

 

Atenciosamente,

Equipe AGNU 2030

 

Como fazer um DPO?

Olá, senhorxs!

Estamos apenas a 16 dias do 17º MINIONU!! E, antes do grande dia chegar, é necessário que o DPO esteja pronto. Mas pera: o que que é DPO???? Como fazer??? Pra que serve??? É obrigatório??? Ai meu Deus, socorro!!!!

giphy

CALMA! Neste post, tiraremos todas as dúvidas acerca do DPO! Fiquem tranquilos!

O que é o DPO?

O DPO (Documento de Posição Oficial) é um documento no qual vocês, senhores delegados, especificam a posição da sua delegação naquele comitê. Ou seja, ele é uma manifestação do posicionamento oficial do país, organização ou bloco dentro das discussões do comitê, contendo as propostas daquela delegação para a solução dos problemas, bem como quais são as expectativas acerca da solução das questões. Lembre-se que a posição precisa ser oficial, ou seja, as perspectivas daquela delegação sobre o assunto. Opiniões dos próprios delegados não são permitidas, já que ele apenas representa aquela delegação, devendo ser fiel àquele posicionamento, mesmo que não concorde “na vida real”.

Para que serve o DPO?

O objetivo do DPO é explicitar o posicionamento da delegação perante a Mesa Diretora, bem como para as outras delegações. Ele é entregue na primeira sessão do comitê, e fica disponível para consulta por qualquer participante do comitê. Isso faz com que não haja dúvidas acerca da situação da delegação no comitê, se tornando um instrumento de consulta até mesmo para o próprio delegado, que pode consulta-lo para que não se esqueça dos principais pontos defendidos por sua delegação. Além disso, o DPO também é uma ótima ferramenta para fazer um discurso inicial no comitê, já que aborda uma visão clara e objetiva do papel da delegação no comitê.

Como fazer um DPO?

Não há segredo na hora de redigir um DPO. Lembre-se que o documento precisa ser o mais objetivo possível, explicitando de maneira clara a posição da delegação nas discussões, além de identificar como tal delegação lida com as questões discutidas no comitê. Assim, é necessário uma breve introdução do tema e uma análise histórica do mesmo, relacionando com o que será discutido no comitê. Tente ser objetivo neste parte, apenas citando pontos que serão de fato relevantes para as discussões.

A seguir, faça uma análise de como a sua delegação é afetada pelo tema do comitê e quais ações são feitas por ela acerca deste assunto, sempre as justificando este posicionamento. Dados e materiais que ajudam a comprovar a posição são bem vindos, mas lembre-se que estamos em um comitê futurista e o cenário é diferente do atual. Assim, aconselhamos que os senhores leiam com atenção do guia de estudos e o dossiê da delegação, a fim de respeitar ao máximo sua posição no ano de 2030.

Por fim, aborde como sua delegação deseja resolver os problemas discutidos no comitê, e o que espera no último dia de sessões. Este ponto é necessário para avaliar se as expectativas da delegação foram muito diferentes do que será aprovado como documento final, no encerramento do comitê.

No caso do nosso comitê, pesquise sobre a posição da delegação quanto as convenções sobre as armas de destruição em massa, suas relações com China e Arábia Saudita, além de identificar a sua relação com o grupo terrorista Estado Islâmico (se já foi afetado por ele, quais sua posição acerca das coalizões, como acredita que ele deve ser combatido).

O que mais preciso saber na hora de montar meu DPO?

É necessário saber que o DPO não pode ultrapassar uma página. Além disso, o DPO precisa conter um cabeçalho com o comitê, a delegação, o nome do delegado e a escola que ele faz parte. Junto ao cabeçalho, recomenda-se a colocação da bandeira da representação. A fonte recomendada é Arial 12, com texto justificado, para ficar bem organizado.

O DPO é obrigatório?

Sim! O DPO é uma peça fundamental para as discussões no comitê! Ele deve ser entregue na primeira sessão de discussões do comitê, e ficará disponível todos os dias de simulação. Assim, recomendamos que ele seja redigido e impresso pelo menos alguns dias antes do MINIONU, para que não haja surpresas e problemas.

Eu preciso apresentar meu DPO para o comitê?

Não!! O DPO estará disponível perto da Mesa Diretora, sendo possível consultar qualquer um deles a qualquer momento. O delegado não precisa apresentá-lo para todo o comitê, ao menos que seja de vontade própria do mesmo para dar início às discussões e explicitar os objetivos da delegação no comitê.

Ainda estou com dúvidas acerca do meu DPO! O que faço?

Não se preocupe! Estamos à disposição para sanar todas as dúvidas! Vocês podem mandar mensagem na nossa página oficial no Facebook (https://www.facebook.com/17minionuagnu2030), ou nos mandar um e-mail (17minionuagnu2030@gmail.com). Não hesite em entrar em contato conosco! Responderemos suas dúvidas com o maior prazer!

 

Até mais!

Atenciosamente,

Equipe AGNU 230

TretaCine Cult #7: “Hiroshima, o dia seguinte”

Boa noite a todxs!!

O TretaCine Cult está de volta com uma sugestão bem legal de documentário. “Hiroshima, o dia seguinte” foi produzido pela National Geographic e descreve as consequências da bomba atômica lançada na cidade japonesa pelos Estados Unidos da América, em 1945. O documentário mostra relatos de várias pessoas que participaram de alguma forma do bombardeio, focando nas primeiras vinte quatro horas do ataque.

É importante lembrar que nos ataques em Hiroshima e, posteriormente, em Nagasaki foram usadas pela primeira vez na história bombas atômicas, o trouxe enorme consequências para o ambiente internacional.

Espero que gostem e que o documentário enriqueça os estudos para a simulação do nosso comitê.

Até logo!

Atenciosamente,

Equipe AGNU 2030